BOLÍVIA – agressão com de pecuaristas e seus grupos de choque contra indígenas guaranis emboscados na trairagem deixa 40 índios feridos, vários em est

com sua rejeição ao processo de verificação e propriedade do uso da terra, latifundiários resistem a uma série de mudanças promovidas por Morales, e na semana passada iniciaram um bloqueio rodoviário para impedir a passagem de uma comissão governamental encarregada de fazer a avaliação do território.

LA PAZ (Reuters) - Um choque entre índios guaranis e fazendeiros bolivianos deixou pelo menos 40 indígenas feridos e 11 pessoas desaparecidas, informou a imprensa local na segunda-feira, num novo episódio do longo conflito entre os seguidores do presidente Evo Morales e a oposição conservadora.

Todas as baixas ocorreram no lado indígena, disseram as rádios ao noticiar o incidente ocorrido na noite de domingo no Departamento de Santa Cruz (leste), reduto da direita, onde a oposição promove um referendo de autonomia em aberto desafio ao presidente indígena.

"Não houve nenhum enfrentamento, e sim agressão com ódio, extremamente violenta, de pecuaristas e seus grupos de choque contra indígenas guaranis," disse a uma rádio local o vice-ministro de Terras, Alejandro Almaraz, que foi a Camiri, capital da província da Cordillera, onde ocorreu o confronto.

Testemunhas disseram à rádio Erbol que cerca de 200 guaranis iam a uma reunião da Assembléia do Povo Guarani (APG) e sofreram uma "emboscada" ao tentar passar por uma estrada bloqueada por fazendeiros contrários à chamada "revolução agrária" promovida pelo governo.

"Parece que vai haver uma guerra pelas terras," advertiu em uma outra declaração o líder da APG, Wilson Changaray, assegurando que nem os indígenas nem os funcionários governamentais que os acompanhavam portavam armas de fogo.

Almaraz disse que o jornalista argentino Fernando Cola, um funcionário do departamento de reforma agrária e 9 guaranis estão desaparecidos, supostamente detidos ou escondidos na selva.

Já os feridos, quatro deles com gravidade, atingidos por golpes e pedradas, foram atendidos em Camiri, cerca de 700 quilômetros a sudeste de La Paz.

Fontes políticas disseram que Cola é um repórter independente que colabora frequentemente com organizações não-governamentais.

Os fazendeiros da província da Cordillera, com sua rejeição ao processo de verificação e propriedade do uso da terra, resistem a uma série de mudanças promovidas por Morales, e na semana passada iniciaram um bloqueio rodoviário para impedir a passagem de uma comissão governamental encarregada de fazer a avaliação do território.

(Reportagem de Carlos Alberto Quiroga)

, aqui.

Comentários