Brigada Militar cometeu abuso de violência, diz Comissão do Senado

Essa é a conclusão da Comissão de Direitos Humanos do Senado Federal. Para senador, violência da polícia gaúcha quer acabar com avanços das lutas sociais

A Comissão de Direitos Humanos do Senado Federal concluiu que houve abuso de violência da Brigada Militar (BM) do Rio Grande do Sul na ação realizada na última semana em Porto Alegre, contra integrantes de movimentos sociais. Os parlamentares da comissão fizeram uma diligência na capital gaúcha nesta quarta-feira (24), e ouviram os representantes dos movimentos, o comandante da Brigada Militar, Coronel Paulo Roberto Mendes, e o secretário de Segurança Pública do Rio Grande do Sul, José Francisco Mallmann.

A comissão colheu depoimentos e documentos para avaliar se foi abusiva a ação dos homens da BM, ao tentar impedir uma manifestação da Via Campesina – entidade que reúne movimentos do campo nos quatro continentes. Durante a ação da polícia, 17 pessoas ficaram feridas e 12 foram presas. A manifestação fazia parte da Jornada Nacional de Lutas da Via Campesina.

Em seu depoimento à comissão, o Coronel Mendes reafirmou que a policia agiu dentro da lei. Para o senador José Nery (PSOL-RS), os depoimentos provaram a “clara decisão do estado em liquidar com os avanços das lutas sociais no estado.” Ele acrescentou ainda que “essa ação orquestrada entre setores do governo e judiciário tem como objetivo atacar o estado de direito democrático”.

Com os depoimentos colhidos durante a diligência os parlamentares pretendem dar continuidade as ações de investigação sobre a violência policial no estado.

-> Veja a ata da reunião do Conselho Superior de Estado (arquivo PDF)

Cf.: Agência Brasil de Fato

leia também:

Polícia impede manifestação contra Yeda e deixa 12 feridos

Yeda e violência marcam protesto contra corrupção

'Há muita demagogia sobre a honestidade política das elites rio-grandenses', diz Maestri

Comentários