PiG TEM PAVOR DOS GASTOS COM O "SOCIAL"

Paulo Henrique Amorim

Máximas e Mínimas 1220


Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista.


- Você precisa conversar com o pessoal da imprensa e explicar o programa (Bolsa Família), recomendou Lula (ao Ministro Patrus Ananias).

Após a peregrinação, Patrus voltou ao Planalto.

- E aí, como foi ?, perguntou Lula.

- Presidente, todos eles, com palavras diferentes, disseram a mesma coisa: o governo está gastando muito com o social.

. Este é um trecho da excelente coluna “Rosa dos Ventos”, de Maurício Dias, na Carta Capital que está nas bancas.

. Clique aqui para ler.

. Se você quiser ter uma idéia do pavor que o PiG tem dos “gastos com o social”, leia as reportagens de capa, de hoje, sábado, dia 28, da Folha (da Tarde *) e do Globo.

. Um horror.

. Você chegará à conclusão de que o Bolsa Família é o ópio do povo.

. Bom, mesmo, é gastar o dinheiro do povo com a “BrOi”...


(*) Por que a Folha não faz como o Globo e confessa o papel de “Cão de Guarda” que desempenhou no regime militar ? Não dá mais para esconder ... Instigado pelo Azenha – clique aqui para ir ao Viomundo – acabei de ler o excelente livro “Cães de Guarda – jornalistas e censores do AI-5 à Constituição de 1989”, de Beatriz Kushnir, Boitempo Editorial, que trata das relações especiais da Folha (e a Folha da Tarde) com a repressão dos anos militares. Octavio Frias Filho, publisher da Folha (da Tarde), não quis dar entrevista a Kushnir.

Cf.: Conversa Afiada

Comentários