Prisões secretas estado-unidenses: 17 Guantanamos flutuantes – x Fausto Della Porta


Não uma, mas sim 17 Guantanamos: com prisioneiros encerrados não em uma ilha mas sim em 17 navios de guerra. A denúncia provém da ONG Reprieve, segundo a qual navios da US Navy seriam utilizados como prisões para deter, interrogar – com métodos próximos da tortura – e deslocar pelo mundo uma parte dos prisioneiros capturados durante a "guerra ao terror". Washington desmentiu imediatamente o relatório.

A utilização de navios prisão teria começado no fim de 2001 (no princípio da campanha contra o Afeganistão dos talibans). O relatório da Reprieve será publicado nos próximos dias mas foi antecipado pelo jornal britânico Guardian.

Nestas últimas semanas já fora questionada a possibilidade de os EUA utilizarem navios de guerra em deslocação para esconder detidos ilegais. Segundo os elementos recolhidos por aquela ONG, pelo menos 200 casos de rendition – transferências ilegais nas prisões secretas deslocalizadas em países onde é possível praticar a tortura – ter-se-iam verificado desde 2006. Contudo, há dois anos, o presidente Georges Bush havia assegurado que tais práticas haviam acabado. Clive Stafford Smith, o responsável jurídico da Reprieve, declarou ao Guardian que os Estados Unidos "escolheram os barcos a fim de manter as suas malfeitorias longe dos olhos dos media e dos advogados das associações humanitárias; mas no fim conseguiremos reunir todos estes detidos fantasmas e fazer valer os seus direitos". "Os Estados Unidos – prossegue Smith – detêm neste momento, conforme a sua própria confissão, 26 mil pessoas nas suas prisões secretas, mas as nossas estimativas são de que pelo menos 80 mil, a partir de 2001, passaram na engrenagem do sistema. Já é tempo de a administração dos EUA mostrar um empenhamento concreto pelo respeito dos direitos humanos". Dentre os numerosos testemunhos recolhidos nos documentos da ONG britânica pode-se ler aquele de um prisioneiro de Guantanamo (onde cerca de 300 muçulmanos permanecem prisioneiros em regime de detenção administrativa, sem acusações formais contra si) que relata a experiência de um dos seus vizinhos de gaiola: "Ele me conta que eram uns cinquenta neste navio, encerrados no fundo do porão, e que eram mais espancados do que em Guantanamo".

Cf. versão integral em: Resistir

Comentários