Tempos em que até o "real", ele mesmo, não existe, é o não-verdadeiro. Devagar a gente vai construindo algo. Que não seja o nosso epitáfio... Colapso do modelo capitalista visa a sangria da exploração do homem pelo homem, da escala nano à astronômica. Qual modelo de sociabilidade queremos garantir? A do trabalho subsumido pelo capital?

facebookianos: há muito mais lá, mas só adiciono quem conheço

na rede, notícias frescas

Loading...

para pesquisar no blog ou nos recomendados, digite na caixa abaixo:

Carregando...

domingo, 15 de junho de 2008

Quem nasce no Brasil é o quê mesmo? –x Carlos Walter Porto-Gonçalves

A palavra "brasileiro" designava, no período colonial, aquele que vivia de explorar e fazer comércio com o pau-brasil, madeira de cor de brasa de grande valor comercial à época. "Brasileiro" tem sido exatamente isso: aquele que vive de explorar o Brasil.

Uma curiosidade uma tanto infantil talvez possa nos ser altamente reveladora. Afinal, o adjetivo pátrio, aquele que nos indica origem ou procedência de alguém, geralmente se expressa pelos sufixos ense ou ês ou, ainda iano. Assim, temos o francês, o português, o inglês entre tantos. Ou ainda, o italiano, o peruano, o venezuelano, equatoriano entre outros tais. Há ainda outras variações, como o paraguaio o guatemalteco, que nos parecem muito originais e para os quais não encontramos paralelo. O mesmo se passa com brasileiro. Embora os franceses nos chamem bresilien, os ingleses brazilian e os italianos brasiliano, nós, insistimos em nos chamar brasileiros usando esse sufixo eiro que não se aplica a nenhum outro adjetivo pátrio. E, aqui entre nós, também usamos o mesmo sufixo eiro para indicar a origem ou a procedência de quem nasceu nas Minas Gerais: o mineiro.

A palavra brasileiro designava, no período colonial, aquele que vivia de explorar e fazer comércio com o pau-brasil, madeira de cor de brasa de grande valor comercial à época. O sufixo eiro, nesse caso, tem, entre outras funções, a de assinalar uma ação ou uma função como em madeireiro, mineiro, pistoleiro, grileiro ou garimpeiro. Todavia, o adjetivo pátrio brasileiro indica a origem colonial dos que aqui chegavam e o que vinham fazer aqui. O Superdicionário da Língua Portuguesa, da editora Globo, (2000, Fernandes, F.; Luft, C.P. e Guimarães, F.M.) assinala que brasileiro, além de ser aquele ou aquela “natural ou habitante do Brasil” também é o “português que residiu no Brasil e que voltou rico à sua pátria”. É interessante observar que embora a língua portuguesa nos ofereça sinônimos para brasileiro, como brasiliense, brasilense e brasiliano essas variantes são desprezadas.

Cf. versão integral em: Agência Carta Maior

Nenhum comentário:

Você escreve o que te pedem. Obrigado, mídia corporativa. Sem você não poderíamos controlar o povo

"A informação que temos não é a que desejamos. A informação que desejamos não é a que precisamos. A informação que precisamos não está disponível” john peers

“Às vezes, a única coisa verdadeira num jornal é a data” Luís Fernando Veríssimo

Arquivo do blog

vídeos indicados automaticamente pelo google para a busca "movimento dos sem-terra"

Loading...

Quem sou eu

Minha foto
são paulo, apesar do golpismo de muitos e da má vontade generalizada entre os que atiram ovos em pobres pela janela de seus castelos, Brazil
https://www.facebook.com/profile.php?id=100000604699321&sk=info
Loading

Seguidores