Quão séria é a atual crise nos mercados financeiro e habitacional? O JOGO ACABOU. NÃO HAVERÁ RETOMADA – Michael Hudson, entrevistado por Mike Whitney

Mike Whitney: O presidente do Fed, Bernanke, tem estado em grande actividade ultimamente: fez três discursos nas últimas duas semanas. Em toda oportunidade que encontra ele fala duramente acerca do dólar forte e de "manter a linha" contra a inflação. O secretário do Tesouro, Henry Paulson, disse mesmo que a "intervenção" nos mercados de divisas ainda era uma opção. Será toda esta lavagem cerebral apenas preparação para o combate a fim de livrar o dólar do mergulho, ou haverá uma possibilidade de que Bernanke venha realmente a elevar as taxas na reunião de Agosto do Fed?

Michael Hudson: Os Estados Unidos sempre pilotaram a sua política monetária quase exclusivamente em função de objectivos internos. Isto significa ignorar a balança de pagamentos. Tal como a própria economia interna dos EUA, o sistema financeiro global também faz tudo para conseguir um almoço gratuito. Quando a Europa e a Ásia recebem excesso de dólares, estes são entregues aos seus bancos centrais, os quais têm pouca alternativa excepto reciclá-los de volta para os Estados Unidos pela compra dos seus Títulos do Tesouro. Os governos estrangeiro – e os seus contribuintes – estão portanto a financiar o défice do orçamento federal interno dos EUA, o qual deriva em grande parte da guerra no Iraque a que a maior parte dos eleitores estrangeiros se opõem.

Cf. versão integral em: Resistir

Comentários