TRANSGÊNICOS: BOTOCÚNDIA LIBEROU GERAL – agora a farra também com milhos: APROVADO O MILHO TRANSGÊNICO

Notícia das mais relevantes é que acabou saindo com pouco destaque: a CNTBio aprovou o milho transgênioco da Syngenta, segundo nota do Estadão (clique aqui). É decisão definitiva, que não comportará mais recursos.

Por castagna maia

Caro Nassif

Li seu comentário a post anterior. Vamos falar um pouquinho sobre o tema.

1. Os OGM - Organismos Geneticamente Modificados são programados exatamente para suportar doses maciças de defensivos.

2. O convênio dos EUA com a Colômbia relativo às drogas prevê a pulverização de um veneno que mata tudo. Há problemas de fronteira da Colômbia com o Equador porque áreas do Equador estão sendo atingidas pela pulverização.

3. O veneno pulverizado para dizimar as plantações de coca é o glifosato, um derivado do agente laranja utilizado como desfolhante no Vietnã.

4. A soja transgênica é modificada para agüentar doses maciças de defensivo. Você sabe qual o defensivo utilizado para a soja transgênica?

5. É exatamente o glifosato da Monsanto utilizado na Colômbia para dizimar as plantações de coca.

6. Essas empresas conseguiram vender essa idéia absurda de que os transgênicos exigiriam menos defensivos. É o contrário. São geneticamente programados para aceitar doses maciças que matam quaisquer outras plantas.

7. Grandes plantações de soja estão no sul do País: RS, SC, PR. E sob esses estados e além deles está o Aquífero Guarani, um gigentesco reservatório de água doce à nossa disposição.

8. O glifosato despejado nas lavouras de soja se infiltra até esse manancial gigentesco que a China, por exemplo, daria tudo para ter.

9. O produtor paga: a. A semente transgênica. b. O defensivo - No caso da soja, glifosato. c. Royalties quando da colheita.

10. Qual a vantagem?

Por Justo
Hoje o milho tem uma certa dose de um veneno X , mas não pode colocar muito X senão a planta morre. Tem também uma dose do veneno Y, mas não pode colocar muito do veneno Y senão a planta morre.

E assim, o milho hoje, tem um monte de venenos (Venenos=defensivos agrícolas) em pequenas quantidades.
Logo, hoje, para se plantar milho, você usa MUITOS venenos.

Ao se FABRICAR um milho transgênico, você o cria com defesas muito alem das naturais para que ele suporte uma dose bem alta do tal veneno XYZ. Assim, se você usar apenas o veneno XYZ, que mata qualquer outro milho que não seja ESTE TRANSGÊNICO , você não necessita usar outros venenos.

Portanto, sim, sua conclusão é certa. REDUZ A NECESSIDADE DE DEFENSIVOS. Usa-se um BAITA VENENO EM GRANDE DOSE e a planta não morre. Morre TUDO AO REDOR, seja lá o que for, e o veneno fica no solo, e pode ser carreado para outros..E onde , meu amigo, tal veneno se instala APENAS O MILHO TRANSGÊNICO produzido para ser resistente a ele , pode nascer.

Mono cultura de verdade é isto. Você planta uma vez um milho transgênico no solo. E terá que passar a vida inteira plantando naquele solo APENAS E TÃO SOMENTE O MESMO MILHO.

Tem idéia de tal coisa ?

Agora, os estudos sobre se faz mal ou não à saúde do homem, referem-se, VEJA BEM, sobre se tais VENENOS se acumulam ou não em nosso organismo.

Por daniel valladao

Como contraponto, a questão seria saber se o Glifosato (RoundUp) é realmente de baixa toxicidade como diz a Monsanto.

A lógica seria bem essa, se verdadeiras as alegações da empresa:

Cria-se uma planta resistente a um herbicida não seletivo (mata qualquer planta) extremamente eficaz mas que se degrada rapidamente e que não apresenta grande toxicidade.

Então a lavoura pode ser "inundada" com esse herbicida, sem que sejam necessários outros mais tóxicos e que levam mais tempo para se dissipar e para permitir novamente o crescimento de outras plantas.

A questão portanto reside no grau de toxicidade e de cumulatividade do Glifosato.

Cf. versão integral em: Blog do Nassif

Comentários