Obama, Ohio e a América patriota

Em reportagem de destaque na primeira página de ontem, o jornal Washington Post (leia AQUI no original em inglês) contou o que está acontecendo numa pequena cidade (40 mil habitantes) do estado de Ohio - Findlay, que se orgulha de ser também chamada de “Flag City, USA” (Cidade da Bandeira, EUA), pela abundância de bandeiras americanas expostas pelos moradores, movidos por patriotismo exagerado, nos jardins à frente de suas casas.

O personagem central entrevistado pelo repórter - Jim Peterman, trabalhador aposentado de 74 anos, veterano da Força Aérea e ex-empregado de uma fábrica de pneus - olha para as quatro bandeiras no seu jardim e passa a mão na cabeça ao explicar como está confuso em relação ao que ouve sobre o candidato Barack Obama. E a versão dos amigos e vizinhos parece, de fato, assustadora.

Segundo pesquisas, hoje um em cada 10 americanos acha Obama islâmico. Uma parte deles o considera terrorista. O Post explica que o candidato, nascido no Havaí, é de família cristã com antecedentes muito conhecidos. Mas numa loja próxima, na casa do vizinho e na oficina mecânica onde o filho trabalha, Peterman ouve que o candidato é africano, possivelmente gay, e se recusa a jurar lealdade aos EUA.

A arte de espalhar boatos

Ohio e outros estados do Meio-Oeste são encarados como terreno fértil para boatos - que já funcionaram contra Obama na fase das primárias, vencidas em Ohio por Hillary Clinton. Além disso, esse é um dos swing states, que podem ir para um lado ou para o outro. Depois da eleição de 2004 numerosas denúncias de fraude (para favorecer Bush contra o democrata John Kerry) foram bem documentadas em três livros.

Preocupada com o efeito dos rumores falsos espalhados a partir de ações de má fé na Internet, a campanha presidencial democrata já produziu um comercial de TV e criou o website “Fight the Smears” (lute contra os boatos difamatórios), que busca desacreditar as intrigas e restabelecer a verdade sobre a religião, a família, o patriotismo e os antecedentes do candidato (clique AQUI para entrar no site).

Cf. versão integral em: Blog do Argemiro Ferreira

Comentários