Mercado x Estado: para além de dualismos inexistentes


Fannie Mae e a Freddie Mac acabam de ser nacionalizados pelo governo norte-americano.

Os custos da farra financeira, que nas últimas três décadas produziu a enorme transferência de riquezas e a brasilianização do mundo mediante a submissão do setor produtivo à lógica de um cassino fictício devidamente desregulamentado, acabam de ser socializados.

Já que o dólar é a reserva de valor e padrão de medida da riqueza mundial, toda a economia do planeta é convocada a pagar a conta da transferência patrimonial em curso.

Quanto a nós...

(1) uma dúvida, parafraseando Antonio Candido: meros galhos secundários de algum arbusto de segunda ordem no jardim da exploração do homem pelo homem, na medida em que arbustos não têm raízes, como será que seus galhos secundários daqui da periferia do capitalismo conseguirão resistir ao furacão que se abate lá no Centro?

(2) uma curiosidade: o que resta da legitimidade pró-mercadista e pró-financista dos neoliberalóides lulistas e t(r)ucanos? Qual será o discurso da corriola de penas-paga que pululam na Mídia Sempre Honesta, Isenta e Transparente [S.H.I.T.] a defender a eficiência do mercado, quando, lá na matriz, o falatório anti-Estado fez água de vez?

(3) uma certeza: seja Obama, seja McCain, o próximo chefe da matriz, é pouco provável que algo como um Plano Marshal retire a América Latrina da lama histórica em que chafurda por obra e graça de suas elites locais. O jeitão neocolonialista da captura da riqueza iraquiana por empresas norte-americanas é só a cabecinha, o prenúncio e prepúcio da Nova Ordem Mundial.

(4) Enquanto a Rússia trata de avisar que o jogo é mesmo de hegemonia regional, a aldeia d'Antas discorre sobre como fazer para que tudo continue como antes.

(5) A farra patrocinada com grana pública lá nos EUA confirma o quanto a captura do Estado por gangues, lá como cá, prossegue sem sobressaltos.

***


Do ponto de vista do mundo do trabalho, qual modelo alternativo de formação social, lutas e mediações poderão se constituir ante tal realidade material?

Comentários