A longa lista de truques e interesses por trás das narrativas midiáticas que justificam a truculência policial

...

Mauro Betting + 29 profissionais são demitidos pela Rede Bandeirantes. 

Que tem a ver o microfone emudecido do Mauro Betting na rádio com o padrão Veja de manipulação das notícias, o mercado dos ilícitos, a demonização das mobilizações populares e a truculência policial direcionada a pretos, pobres e manifestantes de rua? 

A permanência do "Craque Neto" nos quadros da Band não é só o salto alto de editores ante um dinheiro sujo que faz parte do jogo e pronto. 

É uma opção editorial análoga à da Veja, pautada anos a fio por um bicheiro, o Cachoeira. Outro dos seis grupos que controlam as comunicações do país é flagrado a atolar-se de cabeça na lama de uma "aliança carnal" com "empresários" de longa folha corrida. 

Tal aliança consolida seu passe livre no mercado dos ilícitos não só mediante alianças com reputados parlamentares, mas também quando, num pacto demoníaco com a repressão naquilo que nomeiam de "telejornal", mandam ao ar matérias que  justificam a truculência policial contra as torcidas organizadas ou contra o Movimento Passe Livre, por exemplo. 

O truque da maquiagem vendida aos historiadores do futuro é a inversão das relações de causalidade na escalada das agressões, sempre provocada por PMs. 

Um truque que permite transferir a causa da violência, lesões e assassinatos às próprias vítimas, seja torcedor, manifestante de rua ou o preto ou favelado morto nas quebradas. 

Com as famiglias midiáticas a se colocarem no papel de assessoria de imprensa da repressão, isso permite que tais narrativas deitem raízes na história, ao mesmo tempo em que tais famiglias ganham um Passe Livre bem peculiar, pelo qual a grama rola solta nos bastidores com as tran$ações envolvendo muito $$$ longe das vistas do Leão, na ilusão de que não deixam rastros (a quase bilionária sonegação global é a pontinha do iceberg). 

Um dia a PF descobre isso tudo, tadinha, tão pura, inocente e despreparada para lidar com tais interesses cruzados e a nova configuração do mercado ilícito

Só nos resta citar o brocardo que reza: "se non è vero, è ben trovato", pois sabemos que fica tudo por isso mesmo. 

Quanto ao futebol na imprensa, um "Viva as novas webradios!" em particular e à blogosfera em geral, que é para onde vão o que resta de vida inteligente no meio esportivo – com destaque para as transmissões ao vivo dos jogos do Palmeiras na Web Radio Verdao, cujo exemplo vai abrindo espaço para iniciativas similares aos poucos vindas de outras torcidas, caso da do Atlético Mineiro e sua Web Radio Galo.

P.S.: eis outra, do pessoal ligado ao Juventus, a Web Rádio Mooca

...

Comentários