Longa é a luta e necessária a resistência sob derrotas forjadas


Lembremos sempre: é nas adversidades que se molda o caráter! 

Fuerza, siempre!

Renhida e longa, a luta só está começando.

A começar da semântica: jamais enunciar o termo impíchi, sempre chamar pelo nome do que de fato é, golpe

Em qualquer instância ou situação, jamais deixar alguém sem réplica nesse ponto específico, associando a redescrição semântica do golpista como uma continuidade da postura dos que chamam o golpe de 64 de revolução.

E filiando o de agora à reposição 50 anos depois do mesmo  gesto e pelos mesmos interesses entreguistas e antipopulares.

Filiando-o também, pelo massacre midiótico (sic) que o gerou, ao outro golpe midiático, o dado pela Rede Gloebbels três dias antes da presidencial de 89, ainda outro dia.




A novidade do golpe de agora: sem um único tiro, e sem correr o risco de se aliar a forças que depois possam impor o nacionalismo como diretriz, ainda que autoritário.

Em suma, um golpe perfeito e com a pretensão de apagar as digitais da cena do crime ao se pretender mero formalismo jurídico, em procedimento análogo ao dos carrascos nazistas, que apenas "cumpriam ordens".



Para começo de conversa, devemos agradecer-lhes por macular de vez a fantasia mimosa fofinha em "estado de direito", império da lei, neutralidade da justiça, democracia representativa e crenças afins. 

Democracia é luta entre contrários ou democracia não é. 

É dissenso ou nada é. É embate, não pacto pela governabilidade a mascarar o mesmo e velho entulho oligárquico de sempre à espera por dias melhores em que possam sair do esgoto e dar o bote.

Quanto à resignada farsa eleitoreira a cada quatro anos de que se traveste a política, bem, agradeçamos aos ratos golpistas terem nos mostrado a que serve o título de eleitor, afinal.

Uma coisa é certa: eles não são mais pedra, viraram vidraça, e agora é nossa vez de infernizar-lhes a vida, e nisso somos craques!

Longa é a luta e necessária a resistência sob as derrotas forjadas, por piores que elas sejam: a história não acabou, e segue à espera de sujeitos menos rasos que um pires para escrevê-la.

E desconfio não seja mera questão de escolha se queremos ficar do lado de fora ou de dentro do pires. Mas de sobrevivência e dignidade.



É hora de reorganizar a esquerda. 

Não basta reagrupar a tropa na planície com palavras de ordem que moveram a galera nos anos 70. Esse será o erro do PT, ainda hegemônico nesse momento, lá como cá, em apostas equivocadas que, lá como cá, só resultou em derrotas, mas lá ao menos com algumas conquistas, dentre as quais a de ser escorraçado mediante o golpe de agora. 

Muita água terá de mover o moinho até sair alguma farinha que preste desse bolo todo... 

Quem viver, não verá. Terá de agir além disso. 

E necessária a resistência sob derrotas forjadas.

Diante da deprê que se abateu, hora de levantar o moral da tropa.

Passe isso adiante, e vamos à luta, inclusive contra nossos fantasmas e a angústia da perda!

Como diria Mao Tsé-Tung, a Grande Marcha é longa, e só começa se dermos o primeiro passo.


Ainda que equivocado? Não se preocupe: na política, a prova do pudim é o embate com a realidade, o que não elimina certo recolhimento para reposição dos arsenais teóricos e estudos.


#ficadica

Comentários

100% nem aí disse…
"Não fale em crise, trabalhe". Heis a frase, no imperativo, de Michel Temer em seu primeiro pronunciamento. Pela semântica dá pra fazer uma análise dos dias que virão a partir daí. Tá dado o recado do patrão: cala a boca e trabalha vagabundo!

http://epocanegocios.globo.com/Brasil/noticia/2016/05/michel-temer-faz-seu-primeiro-discurso-e-ministros-tomam-posse.html

Democracia é uma palavra contraditória, certo? Proudhon já disse isso né? "Poder do povo", como assim? O povo exerce o poder sobre quem? Sobre ele mesmo? Na democracia grega, existiam os escravos, agora tem quem? E o pior é que a classe média acha que não está nesse grupo. Melhor mandar ela calar a boca e trabalhar mesmo, melhor ainda, se matar de trabalhar. Quero ver onde isso vai parar. O ajuste fiscal vem aí. Sabe o que isso significa? Que vão cortar toda parte que hoje, você, de classe média, utiliza às custas do Estado. Como a universidade pública por exemplo. Sabiam que dentro em breve vai se pagar mensalidade? E bem feito, porque é vergonhoso que num país que ainda tem um monte de esfomeado, um playboy estude de graça, coma no bandejão subsidiado, tenha vale transporte estudantil, dentre outros benefícios. E sua avó, aposentada? Sabia que daqui há pouco vão reajustar o benefício dela abaixo da inflação, até que a aposentadoria dela valha tão pouco que não vai dar mais para contribuir com as prestações do seu carro? Então. Essa é a figura.
Agora, a esquerda tem que se repensar. Não dá pra continuar com a mesma postura. Vão continuar com a ladainha? Vão continuar batendo boca no facebook? A esquerda presta um grande desserviço à causa (se é que ela existe) fazendo 'vomitaço' na página do Jornal Nacional. Demorô quebrar umas vidraças de bancos? Eu acho que sim. Mas até a esquerda ficou muito mal acostumada no governo do PT. Vão ter que começar a perder pra começar a se mover.

Já divaguei muito,

Abraços a todos.