não é porque você diz que existem Et's...


Não, miga, não tenho nenhum minuto para ouvir a palavra da "Filosofia Marciana sobre Ética Alien", nem sobre gatinhos, nem sobre pensamento venuseríndio.

Quando a pessoa escreve defendendo existência de ET's, nem por isso o restante dos terráqueos sairá por aí dizendo que ET existe. 

Quando o jornalista usa sua coluna mostrando que os deuses eram astronautas, vá lá que seja, criaram lá um espaço no jornal reservado para esse tipo de especulação.





Daí a querer que o pessoal da astronomia, física ou arqueologia subscreva suas especulações, lamento informar, baby: ferida narcísica é realmente algo difícil mesmo de lidar.

O mesmo vale para o desmanche da governabilidade fundada na Nova República, para a captura das democracias pelo sistema poder-dinheiro, para suicídio de aluno, para a vacuidade do que se leciona ou para as ilusões perdidas.

O caldo entorna quando o que interessa é defender o ganha-pão das crianças.

Quando se quer enfiar goela abaixo dos incautos a gororoba servida.

Quando se desdenha do sentido e da consistência do que defende – já que a relevância nem entra em cena aqui.

Como seria o mundo das ideias se a consistência dos enunciados fosse um filtro para o que se escreve, para o se defende nas tribunas dos parlamentos ou dos tribunais de juri?

Ademais, fosse a tessitura conceitual um critério a que se submetesse as diversas manifestações das fraseologias produzidas, quão alentada seria a lista de lero-lero que não teria ganho o espaço que conquistou.

Mas as coisas funcionam de outro jeito.

O que conta é a capacidade de articular acordos, apoios, financiamentos bolsas e credenciamento.

Pouco importa o conteúdo do que se diga ou faça.

(1) E seguimos aí a gastar tinta, papel, horas, recursos públicos e privados com jornalista, tribuno ou professor adjunto que, sobranceiros e bem-fornidos, proliferam a algaravia.

(2) E ai de quem questione seus espaços ou resultados: entra em cena a defesa da pluriversidade horizontalizada com gravações e prints denunciando a colonização falologocêntrica branca europeia totalitária feia vermelha... [a lista de imprecações tende ao infinito].

(3) E não é porque o relógio de alguns está parado que se deve calar o som das horas da história que passam sobre nossas cabeças.   

(4) Fez dodói na formiguinha? Que dóóóóóó!

aos demais, Courage. De nossas derrotas vive o sonho dos que lutam. 







Comentários