palestinas, euforia, lágrimas, melancolia


"Israel diz ter “provas” de que Obama orquestrou resolução anticolonatos" [aqui]

Ué, quer dizer então que virou casa da Mãe Joana? 

Qualquer um tá espionando a sede do Império do keinesianismo militar?

Só falta alguém publicar como se decidem quais serão as dezenas da megasena que serão "sorteadas".

Um "cala-boca" na forma de "uau, acertei a mega da virada" e a gente fica quites e prometo ficar na minha, OK?

And tears and sighs and groans my weary days, my weary days
Of all joys have deprived

Esses versos do século XVI [Foi Francisco quem me chamou a atenção para eles, aqui a história da coisa toda], sei lá o porquê, remetem-me ao que é o viver em Brasília...

Como ia dizendo,

And fear and grief and pain for my deserts, for my deserts
Are my hopes, since hope is gone

Diria um leitor de orelhas do livro do Zizek: isso vale para o século do mata-esfola urbano, da pós-verdade e do fim da política...

Ao que eu emendaria: só não vale recaídas tropicalistas em seu mal-disfarçado papo apologista vintage cínico pro-status quo

O que me faz lembrar a muito boa fórmula "porno-miséria" [nesse curtíssimo texto da Zagaia, aqui] como forma de nomear a degradação de um gênero de denúncia e que se vira com o que tem [tipo o nosso cineasta da Ceilêndia, o Adirley], degradando-se. como eu vinha dizendo, em forma de cinema que faz lembrar, pela descrição, o programa que engordou o cofrinho de Regina Casé.

É nisso que dá tomar o cinema, ou qualquer outra linguagem, independente e transformar em fórmula. 

Vale também para a "postura radical crítica crítica", a última delas "gestão da barbárie", servindo para justificar o velho imobilismo pequeno-burguês.

...Bem, volto aos meus delírios, já que pelo visto todo o meu existir também será atravessado pelos quatro elementos do título do post que, parece, vieram pra ficar mesmo por um bom tempo.




Comentários